X

Meu filho tem dor de cabeça, o que faço?

Veja as principais causas dessas dores e como você pode procurar ajuda

maio 22, 2020

As dores de cabeça são uma queixa frequente entre crianças e adolescentes. A Academia Brasileira de Neurologia estima que 39% das crianças com seis anos já sentiram dores de cabeça ao menos uma vez. Além de causar um grande incômodo, quando as dores de cabeça são frequentes, podem causar baixo desempenho escolar e impactar a vida da criança, diminuindo sua percepção de qualidade de vida.

As cefaleias podem ter diversas causas, como:

– Disfunções de  articulação temporomandibular (responsável pela mastigação)

– Distúrbios do sono

– Intoxicações ou alergias alimentares

– Estresse emocional

– Meningites

– Tumores cerebrais

É comum associar as cefaleias a distúrbios de refração visual (miopia, astigmatismo, etc) porém, não há comprovação consistente desta associação. Sinusites crônicas também costumam ser investigadas, porém, há outros dados clínicos mais consistentes para pensar neste diagnóstico, como febre, dores faciais ou tosse.

Na maior parte dos casos, as dores de cabeça não se relacionam com qualquer outra causa.

Mas quando devo consultar o médico pelas dores de cabeça?

  • Se a dor de cabeça é intensa e nunca teve essa características
  • Se a criança acorda a noite com dores
  • Quando a dor é localizada na parte posterior da cabeça
  • Quando as dores são frequentes
  • Quando há mudança nas características das dores (por exemplo: mais frequentes, mais intensas)
  • Quando se associam a outros sintomas como febre , vômitos frequentes, alterações na visão ou no comportamento, dificuldade de andar, etc
  • Sempre que os pais estiverem preocupados ou com dúvidas

E qual médico procurar nestes casos?

Recomendamos que, em um primeiro momento, as dores sejam informadas ao pediatra que já acompanha a criança. Se não houver melhora, solicitar orientação ao pediatra sobre a necessidade de avaliação complementar com o neurologista pediátrico.

O que você sabe sobre neurocirurgia infantil? Faça o teste e descubra